18 dezembro, 2007

'Salvem os anormais!'


Gostava de levantar aqui uma questão relativa a uns clichés que, por vezes, me arranham o ouvido de tão preconceituosos que são. De vez em quando ouve-se: 'Este gajo passou aqui tão depressa, e se fosse uma criança a sair de casa?'... ...e se fosse um adulto? Bem, se fosse um adulto, talvez ele próprio, sabendo que a humanidade é inconsciente, tivesse uma atenção especial ao sair de casa. Se não tivesse essa atenção, então teria parte da culpa. Isto se fosse alguém favorecido, ou seja, alguém pertencente à humanidade adulta, não feminina e não envelhecida. 'Salvem as mulheres e crianças!', é uma expressão que quase se transforma em 'Matem só os homens!'... os detentores legítimos do poder, os carniceiros da pátria, os inquisidores e os governantes... eles que se entendam... não ponham é os leigos no meio... aqueles que não fazem mal a ninguém! e que são desculpados à partida.

Se eu fosse um ladrão assaltante de um banco no velho e longínquo oeste..., ...já me estou a ver a entrar num banco e a dizer: 'Mãos ao alto, isto é um assalto! As mulheres e crianças e os velhinhos indefesos com mais de 65 anos por favor queiram colocar-se em fila indiana e sair ordenadamente pelo meu lado esquerdo. Quanto aos outros seus, seus... ...homens! vão ser todos chacinados!!!' e 'Pum pum!'. - Aos destrinçados... aos verdadeiros anormais, culpados, e expiadores, aqui fica o meu sincero pesar! - Agora sim! temos um mundo perfeito... Ficaram os valentes (qual Lampião), as mulheres e as crianças... Os velhinhos morrerão depressa, não é preciso matá-los, e as crianças que pensarem em ser homens morrem na próxima vez.. Tá tudo arrumado e ficam todos felizes!

Não quero, com esta breve estória, banalizar o esforço que se tem tido em proteger os mais desfavorecidos, no entanto não se pode também destrinçar a vida de determinada pessoa só porque ela pertence àquele grupo mesquinho e desprezível da sociedade que deveria ser não corrupto, não explorador, honesto, trabalhador, responsável, etc., etc.... aponto antes para que não seja, ao mesmo tempo, esquecido que essa atenção especial aos idosos, às crianças, e às mulheres, não substitua uma outra atenção que é a da alteridade, ou seja a atenção dada ao outro, independentemente do género e escalão etário; e para o cuidado a ter relativamente aos preconceitos, injustiças e erros que se podem cometer ao generalizar.
ATENÇÃO: Qualquer coincidência com a realidade é pura semelhança.
Deixo-vos em reflexão...

Cheers

4 comentários:

suzi disse...

Não sei se fiz uma interpretação errada ou se não compreendi o alcance do teu post.... mas quer os homens, quer as mulheres, crianças e idosos são protegidos pelo nosso Direito ou, pelo menos, deveriam ser... mas, infelizmente, o sistema não funciona... o lema não é “matem os homens” no sentido de banalizar os seus direitos... o que está em causa é uma protecção reforçada das mulheres, crianças e idosos porque são mais indefesos, vulneráveis e incapazes de oferecer uma maior resistência à violação dos seus direitos...todos os dias, é violado o principio da igualdade e o principio da não discriminação, todos os dias nos é vedado o direito à saúde, à educação e à justiça... todos os dias há algo que me deixa completamente indignada e revoltada...
Há crianças que estudam em escolas sem quaisquer condições, há crianças abandonadas em instituições, há crianças sujeitas a abusos sexuais, há crianças que não sabem o que ser-se amado...há mulheres discriminadas profissionalmente ou porque não são promovidas em detrimento de um homem, ou são despromovidas ou despedidas simplesmente porque podem engravidar...que “inconveniência” para o negócio!!! Há idosos com pensões miseráveis que mal chegam para pagar exames médicos ou medicamentos, há idosos abandonados em lares porque, pelos vistos, se tornaram inúteis para a sociedade... Isto são só exemplos, muitos mais haveria a dizer... Será que são sempre favorecidos?! Será que não merecem uma protecção reforçada?! Há casos e casos...não podemos tomar posições extremas... "O excesso ao amadurecer produz a espiga do erro. E no tempo da ceifa apenas se recolhem lágrimas..." (Ésquilo)


Beijinhos

O Último Padrinho disse...

Sim, concordo... Todos são protegidos pelo Direito, teoricamente... mas se fosse assim tão simples não eram necessárias todas essas campanhas de sensibilização. De qualquer forma, e apesar de apontares determinadas questões, eu não pretendo chamar atenção para o que de bom se faz... mas sim para o que não é muito pensado, neste caso. O que eu penso é que essas crianças desfavorecidas e desprotegidas que passam por uma enormidade de dificuldades, mais tarde, serão homens e mulheres... que depois de passar por esse 'período' serão idosos desprotegidos... Estamos sempre a falar das mesmas pessoas. O que adianta acarinhar uma criança desprotegida quando mais tarde ela se transforma num homem repugnante, expiador dos pecados da sociedade; e quando for mais velhinho voltarmos a ser ternurentos para ele e querermos protegê-lo... Tudo isto me soa mais a hipocrisia, ...essas campanhas de sensibilização! Não digo que não devem existir... pelo contrário, louvo o esforço! Mas lá que é hipocrisia e um desvio do verdadeiro problema, eu não tenho dúvidas...
:)*

suzi disse...

Não acho que se trate de hipocrísia...agora percebo que te estavas a referir à mesma pessoa mas é uma pessoa em diferentes etapas da sua vida e essas etapas são caracterizadas por diferentes níveis de aprendizagem, por uma intensificação da vivência e por um acumular de experiências que resultam numa crescente maturidade e na consciencialização das consequências dos seus actos, da distinção entre o certo e o errado...O que está em causa é ensinar a pescar à criança quando esta não sabe o que é uma cana e que com ela pode apanhar peixes...assim, pressupôe-se que quando adulto já saiba como pescar....mas quando idoso pode já ter perdido essa capacidade....assim, protege-se esse mesmo homem nas suas fases da vida em que mais precisa e em que é menos autónomo...se a criança for acarinhada poderá tornar-se num adulto responsável e, se assim fôr, será protegido tanto em criança, como em adulto, como em idoso...já duvido que esse homem que consideras repugante, seja posteriormente acarinhado pela sociedade só porque é idoso... tudo o que fazes na tua vida vai marcar-te pela vida fora e determinar o que a sociedade te vai poder dar na tua velhice...

beijinhos

Suzi disse...

Somente para partilhar um texto que gosto muito...

A felicidade exige valentia.

"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes mas não
esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo e posso evitar que ela
vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios,
incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos
problemas e se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si mas ser capaz de encontrar um oásis no
recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter
medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para
ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."

Fernando Pessoa

Beijinhos